Portugués

Ao mesmo tempo em que os grevistas de fome atingem o seu 12º dia sem alimentação, as primeiras notícias da Marcha Nacional Lula Livre chegam até o Centro Cultura de Brasília (CCB) onde estão alojados. As mensagens e palavras de apoio dos caminhantes ganham status de alimento simbólico para os grevistas, reforçando seu ânimo e resistência.

Na tarde desta sexta-feira (10), os três atos de lançamento da Marcha Nacional Lula Livre reuniram as cerca de 5 mil trabalhadoras e trabalhadores que saíram das cinco regiões do país. Organizada em três colunas, Ligas Camponesas, Tereza de Benguela e Prestes, as fileiras irão percorrer 50 quilômetros rumo à Brasília e se somam à mobilização convocada para registro da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência da República.

Após dez dias em greve de fome, nesta quinta-feira, audiência com o Supremo Tribunal Federal (STF) representa vitória da mobilização extrema

 Na tarde desta quinta-feira (09), os sete manifestantes que estão em greve de fome exigindo justiça ao STF serão recebidos por um dos membros da corte. Apesar de terem sido protocolados 11 pedidos de audiências, com todos os ministros, apenas Ricardo Lewandovski se prestou a receber os grevistas, que seguem há dez dias sem se alimentar.

No oitavo dia de protesto sem se alimentar, manifestantes apelam por justiça na corte suprema

Chega ao oitavo dia a greve de fome empreendida por sete militantes de movimentos populares do campo e da cidade. O risco para a saúde dos manifestantes deixa em alerta as equipes de saúde e apoio que acompanham o protesto e aumenta a pressão sobre as autoridades que podem resolver a pauta da greve. 

Marchar novamente é preciso para retomar a democracia, a Reforma Agrária, denunciar a retirada de direitos e exigir Lula Livre. Essas são as principais bandeiras de luta que impulsionam o processo de construção da Marcha Nacional Lula Livre.

O ato de Lançamento da Marcha foi realizado na noite da última sexta-feira (3). E contou com a participação de diversos movimentos e organizações populares, no Armazém do Campo, em São Paulo, durante Ato Político em comemoração aos dois anos da loja.

O Brasil vive um estado de exceção que impõe constantes retrocessos ao nosso povo e mantém a maior liderança política do país presa injustamente: o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Como tem feito historicamente, os movimentos populares do campo e da cidade não param de lutar contra estes retrocessos, para recuperar a democracia e a justiça no país e libertar o Lula.

Teve inicio na noite desta segunda-feira, 23 de julho, em Caruaru-PE, o Seminário Nacional sobre “Estratégia Camponesa: para enfrentar o Golpe e o Agronegócio” reunindo camponeses de 17 Estados e do Distrito Federal, trabalhadores urbanos, amigos e parceiros de luta até esta sexta-feira, 27 de julho. Porém, dentro do evento, também teve um espaço especifico para as crianças, que é a Ciranda Camponesa, onde reúne os filhos e filhas dos participantes tiveram a oportunidade de forma lúdica, estudar, brincar e se divertir.

A Via Campesina, que aglutina 15 organizações do campo, denuncia por meio de Nota o Golpe que atinge as Sementes Crioulas no Brasil. O Documento divulgado nesta quinta-feira, 26 de julho, denuncia a ilegalidade do parecer jurídico assinado pelo Procurador da CONAB, advogado Ricardo Augusto de Oliveira, o qual proíbe e impede que sementes crioulas sejam utilizadas no Programa de Aquisição de Alimentos, Programa do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário.

O Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) reúne em Caruaru camponeses de 17 Estados e do Distrito Federal, trabalhadores urbanos, amigos e parceiros de luta em Seminário Nacional sobre “Estratégia Camponesa: para enfrentar o Golpe e o Agronegócio”, que homenageia o companheiro e líder camponês do Movimento assassinado brutalmente no último dia 02 de junho, “Katison de Souza”.

El MST aprovecha el Día del Trabajador Rural (25 de julio) para recordar la cifra de más de 150.000 familias aún acampadas en espera de tierra.

El Día del Trabajador Rural existe desde 1964. Hoy se celebra el 25 de julio y también es un momento de luchas en defensa del trabajo y de los derechos de aquellos y aquellas que alimentan a la nación. Por eso, el MST está en una jornada de luchas, exigiendo tierras, políticas de Reforma Agraria y la libertad de Lula, como parte del necesario restablecimiento de la democracia.